segunda-feira, 2 de julho de 2012

Quebrando os preconceitos nossos de cada dia


A mensagem parece simples, e é com simplicidade que nós também tentamos tocar a alma das pessoas. Porque existem algumas coisas que precisam mudar dentro da gente. A mídia,  as novela, os programas femininos diários, embora tenham aumentado o nosso acesso a imagens de mulheres com corpos mais próximos da realidade, o que é muito bom pra autoaceitação, ainda está muito em cima do muro, sem saber se é contra ou à favor, e , ainda, persiste o célebre frase "não fazemos apologia à obesidade". Mas que? Quem em sã consciência faz apologia à obesidade? Já passou da hora de não termos medo de mostrar quem somos, sem a preocupação da imagem que vamos passar. As apresentadoras ainda se perdem nas nomenclaturas e esbanjam preconceito no olhar. Prova que ainda há muito caminho a seguir. Eu bem sei, porque saí de Agência em Agência de Publicidade desta e de muitas cidades deste país, "vendendo" a ideia de que a gente pode ser feliz e ter bem estar mesmo estando muitos quilos acima do peso socialmente aceitável. Hoje, minha ambição é bem maior, é que haja mudança genuína dentro de cada um, independente e acima de qualquer coisa.


Adorei o texto e reproduzi aqui;

Texto retirado do Blog Gordo Bizarro

Liberte-se e ame seu corpo!



A moda plus size no Brasil atingiu um mercado nunca antes imaginado por gordos em geral. A aceitação mercado e de parte da mídia com o assunto é algo a se comemorar. Não sei ao certo quando foi o início dessa onda, mas pesquisando e conversando com amigas vi que o boom mesmo foi quando a modelo Flúvia Lacerda estourou como modelo fora.
A ideia da moda é de pressionar o mercado e consequentemente quebrar preconceitos e padrões, mexendo com a consciência das pessoas em relação ao peso.
É visível que há um movimento social em torno do assunto, mesmo sem uma liderança oficial, que busca dar mais e mais espaço para as vítimas do preconceito e da exclusão pelo fato da aparência que não se encaixa no padrão de peso.
A moda e o movimento se esforçaram. A abertura do mercado e a maior discussão e aceitação da mídia sobre o tema (até mesmo em novelas) são os frutos desse esforço. Mas ainda é muito pouco.
Infelizmente os grupos têm focado, por natureza, muito no peso. As modelos gordinhas não podem se tornar o novo padrão! Precisamos nos libertar em relação a todo e qualquer aspecto de corpo. Não pode haver preconceito e exclusão por nenhuma característica, seja altura, peso ou quaisquer outras!
Vejo sites de modas especializados e modelos divulgando ideias contraditórias. Aconselhando, como por exemplo, o uso de vestidos pretos para esconder os quilinhos a mais. Aconselhando a não usar estampas ou cores muito chamativas. Me mostrem nisso que falei qual parte não está recheada de negação ao próprio corpo e, consequentemente, preconceito com o corpo gordo? É esse tipo de aceitação que deve ser espalhada???
Usem roupas coloridas, usem estampas, branco. Evitem o preto ou tudo que camufle seu corpo. Chega de ilusões de ótica nessa moda plus size.
Aceitemos nossos corpos da melhor forma que caberem a nós, sem buscar aceitação social. Buscando saúde sim, mas apoiando as diferenças. Apoiem esse tipo de aceitação e o respeito a TODOS os corpos, a todas as características físicas, para que possamos ser livres de verdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário