sexta-feira, 27 de junho de 2014

História de Moda: A arte de Dior

Dois novos livros mostram como o estilista Christian Dior resgatou a feminilidade na moda e retratam a importância da fotografia em seu trabalho

Nos salões do mítico número 30, da avenida Montagne, em Paris, o estilista Christian Dior deu início a uma revolução na manhã do dia 12 de fevereiro de 1947. Naquela data, quando fez seu primeiro desfile, já com 42 anos, ele apresentou à imprensa sua coleção na qual se destacavam as silhuetas, até então inéditas, com cintura marcada e busto sexy. Coube a uma editora de moda presente cunhar a expressão “new look”, que ganharia o mundo a partir de uma pitoresca sequência de eventos. Reza a lenda que um jornalista de uma agência de notícias ouviu o termo, escreveu-o em um bilhete, atirou-o pela janela a um mensageiro e, no mesmo dia, o vocábulo chegou aos Estados Unidos, onde causou grande impacto. Dior começava ali a escrever um novo capítulo da moda.
As únicas fotos existentes desse desfile foram feitas pela americana Pat English. Começava ali também uma parceria fundamental para propagar o sucesso do artista.
DIOR-ABRE-IE-2327.jpg
MARCO
O tailleur Bar criado por Dior (abaixo),
imortalizado na foto de Willy Maywald
DIOR-02-IE-2327.jpg
A relação entre o estilista e os fotógrafos está documentada no recém-lançado livro “Dior, The Legendary Images”, que acompanha uma exposição homônima no Museu Dior, na França, com curadoria de Florence Muller. Foram selecionadas cerca de 200 imagens feitas entre 1947 e 2014 – 60 manequins vestidos com criações do mestre estão dispostos no local. Os bastidores do primeiro desfile e relatos dos dez anos em que Dior comandou sua maison são objeto de outro livro. “Monsieur Dior: Once Upon a Time”, da prestigiada jornalista de moda Natasha Fraser-Cavassoni, chegará às livrarias no segundo semestre. Para contar detalhes dessa época de ouro, ela entrevistou dezenas de pessoas que conviveram diretamente com o estilista, de ajudantes a vendedoras, e teve acesso a arquivos inéditos da Dior.
DIOR-03-IE-2327.jpg
NA MODA
Acima, foto icônica de Richard Avedon e, abaixo, os
dois livros que retratam o universo da Dior
01.jpg
A revolução empreendida pelo estilista com o “new look” no pós-guerra deixa para trás os dias de racionamento, dos uniformes, das restrições. Dior constrói suas criações como um arquiteto. “Queria vestidos moldados sobre as curvas do corpo feminino”, disse o estilista. “Eu apontava o tamanho, o volume dos quadris, valorizava o busto. Para assentar melhor os meus modelos, dupliquei praticamente todos os meus tecidos com percal e tafetá.” O mergulho da autora nesse universo ganha imagens à altura, com fotos de ícones como Cecil Beaton, Henri Cartier-Bresson e Willy Maywald. As imagens lendárias que contam a história da maison, aliás, realçam o diálogo estabelecido entre moda e fotografia. Grandes fotógrafos como Richard Avedon, Horst P. Horst e Clifford Coffin criaram os parâmetros visuais da Dior – o enquadramento, a luz, a encenação, a atitude da modelo – e influenciam até hoje a atual geração de fotógrafos do mundo fashion.
02.jpg
CRIAÇÕES
Vestido Mozart, de 1950, em foto de Norman Parkinson à esq.
e vestido Turquie, de 1951, em retrato de Cecil Beaton
Fotos: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário