quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Sarah Conley, colunista e produtora de moda fala de mercado de moda plus size


Gente, acabei de ler esse artigo na revista americana "Times", da colunista Sarah Conley, e fiquei tão feliz com o que vi que decidi traduzir e postar para vocês. Exatamente o que penso, sem tirar nem por uma vírgula. E acho que o problema no Brasil é muito semelhante, já venho falando isso nos Encontros, Palestras, posts, etc. Agora, valido o meu pensando por um grande veículo internacional.

Um problema com a Moda Plus Size: os clientes não estão comprando

A indústria da moda pode merecer muita culpa, mas se os consumidores querem opções, eles devem pensar antes de abrir suas carteiras

Se o plus size representa US$ 17,5 bilhões da indústria da moda, por que os seus consumidores ainda são marginalizados? A indústria da moda tem bastante culpa nisso e, até certo ponto, ela já é bastante enfatizada. Mas o problema não é só esse. Como blogueira de moda plus size e consultora de marketing de moda, converso todos os dias com as mulheres que estão procurando por mais opções dentro dessa indústria. A variedade limitada obrigou-nos a comprar não discernindo entre utilidade vs estilo e isso é muitas vezes confuso para os poucos varejistas que navegam nesse espaço, orientados pela tendência de consumo. Se você é um dos 100 milhões de consumidores plus size americanos, então digo que o seu próprio comportamento na hora das compras poderia ser mais culpados pela falta de opções do que você pensa.

Naturalmente, o comportamento do consumidor resulta nas decisões varejistas. A visão mais desconcertante da minha carreira foi quando vi um varejista plus size testar os seus consumidores mostrando os mesmos modelos de roupas em diferentes tamanhos, de 40 a 46, cada um voltado a um segmento específico de clientes. O manequim 40 foi o campeão e resultou, em quase todas as vezes, num maior apelo em número de vendas, mas os consumidores, por sua vez, exigiam que as campanhas da marca em mídias sociais usassem uma modelos plus size para estampar esse produto. Este não foi um incidente isolado. Amigos da indústria compartilharam histórias semelhantes que presenciaram sobre diversas outras marcas. E os varejistas vão continuar a criar essas experiências de compras online para aumentar as suas vendas. Por exemplo, as marcas vão pegar aqueles produtos menos vendidos, que empacaram no estoque, e relança-los em uma modelo plus size para ter mais apelo de venda. Assim como a roupa é essencial em nossas vidas, a moda é, antes de tudo, um negócio.

A blogueira plus size Chastity Garner recentemente liderou um movimento pressionando os estilistas para estender o tamanho de suas coleções alegando que até Melissa McCarthy era incapaz de encontrar estilistas dispostos a criar vestidos para suas aparições no tapete vermelho. Embora a percepção da moda, tradicionalmente, tem sido de que as mulheres plus size não são clientes desejáveis, Lane Bryant está agitando a indústria, colaborando com Isabel Toledo, Sophie Theallet e, mais recentemente Lela Rose. Parcerias como estas devem elevar o perfil do plus size na indústria da moda, utilizando uma marca já estabelecida, unindo padrões e silhuetas. O sucesso destas colaborações, percebido ou não, certamente é revigorante e convidativo.

Mas uma mudança real para a moda plus size virá quando os clientes começarem a tomar decisões de compras mais conscientes. Aimee Cheshire, co-fundadora da marca Hey Gorgeous, uma loja online que oferece moda a partir do manequim 40, enfatizou: "a diferença na indústria plus size será vista imediatamente quando o consumidor quebrar o ciclo e começar a correr mais riscos comprando peças bonitas e de alta qualidade, que ela realmente tenha orgulho de vestir".

Assim como as marcas continuam a entrar em sintonia com plus size através do feedback e comportamento dos consumidores, nós, como comunidade, devemos reconhecer que cada atitude que tomamos carrega também uma responsabilidade. Quando a marca The Limited fechou uma de suas linhas, a ELOQUII, devido à falta de recursos, os membros da equipe apaixonados por moda e galgados no pensamento de as mulheres querem qualidade e moda atual independente do tamanho, receberam o clamor da comunidade e conseguiu reviver independentemente da outra marca. A verdadeira variedade, seja mais estilos orientados pelas tendências, melhores ajustes, tecidos de alta qualidade, seleção de modelos ou variação nos tamanhos serão provenientes do acúmulo de nossas escolhas. Avaliação dos produtos, feedbacks, comentários, tweets, fotos e postagens no blog, tudo contribui para o sucesso de uma marca. E o mesmo acontece com o comportamento do consumidor quando decide abrir a carteira.

Sarah Conley é blogueira e especialista em marketing de moda

Nenhum comentário:

Postar um comentário