segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Marca cria lingerie inspirada em modelos dos anos 40

O estilista norte-americano Daniel Whitsett é um criativo diretor especializado em moda de lingiere retrô. No último desfile da marca Secrets in Lace, o estilista criou uma coleção inspirada no modelo calcinhas e sutiãs da década de 1940.
Com as peças costuradas com os tradicionais fios de naylons muito utilizados na época, Daniel recriou as peças femininas da época. O estilo da atriz e dançarina norte-americana Dita Von Teese, conhecida no mundo todo por reinventar a estética pin-up dos anos 40 e 50, foi a inspiração de Daniel para criar a coleção.

Com um corpo que encaixa-se nos antigos padrões de beleza da época, a sex simbol tem um estilo retrô da cabeça aos pés, sempre com referência às mulheres das décadas de 40 e 50.
As modelos utilizadas para divulgar a marca nas passarelas do Fashion Week 2014 também têm um corpo que remetem ao padrão de beleza da década de 40: coxas generosas, largos quadris e seios fartos.
A parte de recriar a moda antiga, a ideia de Daniel foi elaborar uma marca de lingerie que pode ser sexy e glamorosa em qualquer tipo de corpo feminino. Você pode conferir toda a coleção aqui.














Marca de lingerie mostra os verdadeiros 'corpos perfeitos'

Recentemente, o Estilo Catraca Livre publicou uma matéria sobre a polêmica que ocorreu em torno de um anúncio da marca de lingerie Victoria’s Secret, no qual aparecem várias modelos da empresa com a frase “The Perfect Body” (O Corpo Perfeito). No entanto, várias clientes e outras lojas têm compartilhado fotos nas redes sociais criticando a publicidade realizada.
Agora, para fazer uma crítica ao episódio, a marca de roupas íntimas Dear Kate criou uma campanha para mostrar a verdadeira beleza feminina. O anúncio apresenta 10 mulheres, com várias formas corporais e alturas, acompanhado da declaração: “Mostramos infinidades de formas que um corpo perfeito pode ter”.
l1csnuc82qven5i1sddw5ea54u3evqdholwaxk9e9fhty5f4a1rjaonr7mj4c6hu
Acima: Campanha da marca Victoria's Secret; Abaixo: Campanha da marca Dear Kate
As mulheres da imagem não são modelos profissionais e têm diferentes profissões, como médicas, artistas e empresárias. O principal intuito da campanha era revelar corpos similares aos da maioria das mulheres pelo mundo.
O que você achou da resposta ao anúncio da Victoria’s Secret? E o que você considera o "corpo perfeito"?

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Ensaio plus size, nós amamos!

Mariana Ruivo por Adriana Líbini
Modelo Plus Size Mariana Ruivo
Mercado Plus Size está crescendo mais a cada dia. Como resultado disso, aumentou também a quantidade de meninas que procuram o Estúdio Fotográfico Adriana Líbini querendo ingressar na carreira de modelo. Mas como em toda carreira que se preze, o sucesso não é tão fácil como se pensa, ou como parece ser. Não basta apenas sorrir para as câmeras e ser bonita. É preciso ter um perfil, muita persistência, paciência e, é claro, talento.

Essas características são apenas uma parte do que vimos no Book Fotográfico Plus Size da TOP Mariana Ruivo. Por já trabalhar há um tempo como Modelo Plus Size, esta bela sorocabana já está familiarizada com o ambiente profissional; mesmo assim, ela estava super ansiosa para começar a ser retratada pelaFotógrafa Adriana Líbini.

Os seus looks foram montados com base nas tendências do Outono/Inverno 2014. Além do preto básico, que também foi destaque em seu ensaio, a produção lançou mão de chapéu e luvas, o que deixou Mariana com o visual bem delicado e moderno. A TOP, no entanto, não quis ficar presa aos looks mais sérios e casuais. A modelo, que também é gerente administrativa, não hesitou em mostrar suas belas curvas e fez fotos em um maiô super colorido que conferiu à ela um ar de sensualidade.
As fotos da Mariana feitas aqui no Estúdio Fotográfico Adriana Líbini não ficaram só no portfólio. A combinação do talento e beleza da modelo e da qualidade do material produzido pela fotógrafa resultaram em trabalhos para a TOP.

Confira Mariana Ruivo Book Fotográfico Plus Size:
Mariana Ruivo Book Fotográfico Plus Size
Estúdio Fotográfico Plus SizeModelo Plus Size Mariana RuivoPlus SizeAdriana Líbini Fotografia ©Mariana Ruivo posa para as lentes da Fotografa Plus Size Adriana LíbiniMariana Ruivo Plus SizeMariana Ruivo arrasa em seu Book Fotográfico Plus SizeFotografa Plus Size clica modelo Mariana RuivoMariana Ruivo Modelo Plus Size ProfissionalModelo Plus SizeAdriana Líbini Fotografia ©
Lembre-se sempre: Sua beleza não se mede pelo tamanho do seu manequim, todas nós merecemos ser felizes independente da nossa raça , cor de pele ou peso. Faça um favor a si mesma, ame-se, valorize-se. Seja TOP!

Fotografia – Adriana Líbini l Estilo – Carol Santos l Make & Hair – Tati de Souza l Retouch – Vânia Castro l Texto – Letícia Gomes
Depoimento Mariana Ruivo sobre Book Fotográfico Plus Size


Depoimento Mariana Ruivo:
Eu aprovei e recomendo o trabalho realizado pela Equipe Adriana Líbini, o profissionalismo, carinho e qualidade são as palavras que definem a minha experiencia. Acho que toda mulher ou modelo Plus Size merece esse presente, ser fotografada por essa profissional. Descubra-se!



segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Arrume o armário e melhore sua energia


Organizar suas roupas é prático e relaxante!
Foto: Getty Images
Manter o guarda-roupa em ordem não é importante só para você achar facilmente o que procura. "Limpeza e organização harmonizam o ambiente", diz Silvana Helena Occhialini, presidente do Instituto Brasileiro de Feng Shui. Veja suas dicas para atrair boas energias para o seu quarto e a sua vida!
Limpeza energética
Tire tudo do armário e passe óleo de eucalipto. Ele muda a vibração!
Mantenha só o que usa
O que estiver sem uso por mais de dois anos deve ser doado. Já!
Crie uma ordem para as roupas
Na parte superior, ficam blusas e vestidos; abaixo, calças, shorts e saias. Por último, os sapatos. Isso organiza a mente.
Separe as roupas pela cor
Assim, a visualização é imediata e você não se estressa nem perde tempo procurando aquela blusinha perdida entre tantas outras.
 
Use cabides iguais
Evite ter cabides de cores e materiais diferentes. E mais: ao pendurar as roupas, coloque os cabides voltados para o mesmo lado. Manter um padrão em todo o armário facilita - e enfeita - a vida!

Bê-á-bá do guarda-roupa ideal

Micaela Góes, consultora em organização e apresentadora do programa Santa Ajuda, no canal a cabo GNT, dá cinco dicas para manter tudo em seus respectivos lugares
. Dobre jeans, camisetas e agasalhos e disponha tudo em prateleiras médias
. Organize acessórios em caixas
. Na gaveta, guarde as peças íntimas em nichos - eles podem ser até de papelão
. Faça rodízio de roupas por estação - as de frio ficam à mostra no inverno, as de calor, no verão!
. Agrupe as roupas também por tipo: blusa com blusa, vestido com vestido...

Vanessa Benevides, faz ensaio-protesto contra "Corpolatria"

"A forma como vemos o nosso corpo determina a forma de participar do mundo. Baixa autoestima pode levar a medos de relacionamento, emprego, diversão… Já vi muita gente que prefere morrer do que viver nos corpos que habitam. Eu já fui assim e me recuperei desses pensamentos. Se eu consegui, você também consegue! O mundo e essa ideia do “padrão de beleza” precisam mudar. E você pode fazer isso da seguinte forma: sendo feliz com o próprio corpo. Afinal, a felicidade não tem tamanho, a aceitação também não. Então, por que os corpos e as roupas precisam ter um tamanho pré-determinado? "  Vanessa Benevides



O mundo da moda e suas modelos cada vez mais magras têm levado mulheres a uma “competição” desleal contra a balança. O estereótipo do “corpo perfeito” - ditado por grifes e estilistas famosos e chancelado pelos meios de comunicação, através de revistas e programas de televisão - pressiona o sexo feminino a seguir padrões que, muitas vezes, são humanamente impossíveis de serem alcançados. Além da pressão para estar dentro de tais padrões, as pessoas que não atendem a ordem social são vítimas de preconceito e, consequentemente, marginalizadas pelos demais membros da sociedade. 








Make : Mirian Sandes Diniz  Fotografia : Diego Rocha
Locação : Mcm Maior Combate Do Mundo e Luzia Santos
Diretor e idealizador: Ralph Diniz e Dariton Souza

Todas as mulheres são reais, todas

Outro dia achei uma imagem na internet que me inspirou a postar uns pensamentos que sempre cultivei quanto ao termo “MULHER REAL” no meu facebook. Recebi tantos emails, que resolvi compartilhar o post que fiz no meu instagram e facebook, aqui no blog também. Nada de inédito ou novo, tenho certeza que muitas pessoas já compartilharam pensamentos similares, pois ficou bem claro que a maioria das pessoas concordam com a mesma idéia. Espero verdadeiramente que o dia em que mulheres respeitarão mulheres, chegará (sejamos honestas, na maioria das vezes as próprias mulheres são as mais desumanas consigo e com outras), colocando valor humano, respeito e compaixão acima de frases chaves na busca de ganho financeiro e popularidade ou de simplesmente querer derrubar o próximo para se sentir melhor.
Image
Concordo. Todas as mulheres são REAIS. Todos temos uma beleza única e por isso sempre fui contra o uso da expressão “mulher real”. Não existe mulher “fictícia”. SOMOS TODAS REAIS. Se você critica o corpo/beleza de pessoas diferentes de você, esteja preparado(a) para receber críticas também. O ponto não é segregar, deturpar ou ofender em busca de superioridade quando isso é exatamente o que opressores em diversos níveis fazem. O ponto é reconhecer que todas temos direito ao mesmo respeito e reconhecimento de forma positiva. Criticar outras para nos sentirmos melhor com nossos traumas e complexos é andar na mesma direção daqueles que nos machucam. Modificar comportamentos negativos implantados em sociedades por décadas não acontece criando outros tipos de erros ou preconceitos e sim, demonstrando um comportamento de respeito por si e por todos ao redor, de amor próprio, de conduta moral que vai contra aquilo que nos oprime. Palavras negativas são perpetuadas como rótulos que confirmam as acusações do opressor, assim denegrindo esforços edificantes feitos por outros. Não se rebate negatividade na mesma moeda. Não adianta, não funciona. Nada ensina mais do que EXEMPLO. RESPEITE PARA SER RESPEITADO. RESPEITE PARA SE TORNAR EXEMPLO DE MUDANÇAS SUBSTANCIAIS e não apenas mais uma polêmica que fatura fama ou ganho monetário ( quase sempre temporário) e cai no esquecimento como tantas outras ( quase sempre permanente).
Como disse o sábio Ghandi; “SEJA A MUDANÇA QUE VOCÊ BUSCA NO MUNDO.”

Ju Romano: Moda plus size em NY X moda plus size no Brasil

Confesso que a culpa foi da minha alta expectativa, mas me frustrei muito com a moda plus size em NY. Demorei a escrever esse post – fui viajar em agosto – mas é porque eu realmente queria amadurecer as ideias. Ver se era isso mesmo. Pesquisar com outras amigas.
roteiro ny ju romano 2

Meu histórico e o motivo da expectativa

Eu já tinha ido para os EUA, há 10 anos, quando visitei a Disney e aproveitei para passar nos outlets ao redor. Minha lembrança era ótima: todas as lojas tinham do XS até o XXXL, ou seja, TUDO cabia em mim, era só escolher. E eram todas as lojas. Imaginei que a oferta em NY seria imensamente maior, assim como a cidade é em relação às outras. Sem contar que acompanho muitas blogueiras gringas que usam roupas absurdas de lindas e fico babando nas peças das linhas plus size de lojas como a Asos. Então, juntei dinheiro, planejei, economizei e fui munida de muitos desejos e esperanças.

Primeira impressão

Assim que desembarquei, estava tão empolgada que fui “virada” do avião direto para o Outlet Jersey Gardens, onde realmente tem várias lojas plus size. Mas, ao mesmo tempo em que tinham várias lojas, todas estavam com aquela carinha de outlet – com apenas as “sobras” de tamanho e do que ninguém mais quis. Com um olhar apurado, consegui vasculhar todas as araras até encontrar peças que valessem a pena e que, claro, eu não encontraria aqui (porque se é para comprar o que já existe aqui, prefiro comprar aqui mesmo…). Até tentei entrar no outlet de umas lojas multimarcas como Century 21 eSacks, mas além da organização caótica de araras, os modelos que tinham tamanhos grandes eram raros e  absurdamente caros (tipo acima de 150 dólares, o que já é muuuito acima do que eu posso e quero pagar).
Achei apenas que isso era culpa do outlet. Que nos outros encontraria coisas mais em conta e com a minha numeração e que, se não encontrasse em outlet, com certeza teriam muuuitas lojas com moda plus size em NY.

O que achei da moda plus size em NY

Chegando a NY vi coisas incríveis, visitei museus, teatros, caminhei até meus pés dizerem chega e muitas outras coisas divertidíssimas que eu já contei quando dei meu guia para iniciantes. Mas na questão “guarda-roupa”, não fui muito bem sucedida. A verdade é que em Manhattan, que nem é tão grande como São Paulo, por exemplo, as lojas que tinham tamanhos grandes ficavam TÃO longes umas das outras, que não dava para visitar todas no mesmo dia. Não dava sequer para visitar duas no mesmo dia. Era como se uma fosse em Pinheiros e a outra na Móoca, sabe? Tá, acho que exagerei um pouco na distância entre as lojas, mas para uma turista em sua primeira viagem a NY, passar o dia atrás apenas de lojas plus size é bem inviável quando você quer conhecer tantas outras coisas. Lembro que fiquei feliz de ter umaForever 21 (onde tinha uma parte plus size até que bem legal) e uma TJ MAXX, ambas perto do meu hotel, com uns 7 quarteirões de distância entre uma e outra – e isso foi o máximo de perto entre duas lojas que vendiam moda plus size em NY. Tudo bem, essa foi a minha primeira vez em NY e eu mal passei muito tempo no Brooklyn, mas não era bem o que eu esperava. Achei que fosse encontrar TUDO para o meu tamanho, mas a dificuldade foi até maior que aqui no Brasil.
O pior? A calça mais cara que eu comprei (tipo, foi o preço de uma calça boa daqui) eu usei DUAS vezes e ela rasgou inteirinha no meio das pernas. Dinheiro praticamente jogado no lixo. Na etiqueta: made in China, assim como todas as outras peças.

Moda plus size em NY X moda plus size no Brasil

A gente tem aquele velho hábito indecente de reclamar de tudo que é do Brasil e ficar vangloriando tudo que é de fora, como se nós fossemos umas porcarias atrasadas e como se tudo que é nosso fosse infinitamente inferior a todo resto. Sempre ouço frases “ah, mas lá fora você encontra roupa muito mais legal e mais barata”. Bom, o lá fora definitivamente não é NY.  Aqui no Brasil vejo qualidade, vejo esforço, vejo empenho. Aqui vejo lojas online levando para todo o Brasil e possibilitando meninas de todas as idades e condições usarem roupas lindas e pensadas para elas. Aqui no Brasil, temos shoppings, um conceito que embora não tenha sido criado por nós, foi apropriado pelos brasileiros e transformado de maneira que ficasse muito mais cômodo fazer compras. Em apenas um lugar, você tem uma infinidade de lojas que oferecem as últimas tendências, com uma grade de numeração inteira e cada vez maior. Temos as lojas de departamento concorrendo diretamente uma com a outra, no mesmo corredor as vezes, e fazendo com que os preços fiquem mais competitivos. Temos produtores de roupas plus size que não usam trabalho escravo e apesar de cobrarem seu valor mais caro, garantem uma roupa feita dentro de todos os padrões de qualidade esperados e respeitando todas as leis trabalhistas(sempre podem existir exceções, é claro). Sim, o Brasil é muito melhor que NY em moda plus size. Acredite.
A gente vai continuar desejando as roupas da Asos Curve? Sim, nós vamos, porque sabemos que é uma referência e é lá que queremos chegar. Agora, provei na pele que a moda plus size em São Paulo e no Brasil é muito mais acessível e cheia de qualidade que em NYA moda daqui feita por nós é motivo de orgulho. A de lá é feita na China, e pelo preço que conseguem chegar, não é de se estranhar que seja feita com trabalho semi-escravo, além de não ter controle de qualidade. Quanto ao visual, as roupas aqui alcançam muitos estilos diferentes, contemplando diferentes personalidades. Lá, parece que todo mundo tem que ter o mesmo estilo, meio padrão, sabe? Minha impressão foi essa.

O resultado e lojas que comprei lá

Voltei com apenas 8 peças… OITO PEÇAS DE ROUPA em uma viagem de compras. Sério, eu entro nas lojas de departamento aqui e saio com mais peças ¬¬… Claro que eu provei um zilhão de roupas, mas assim como aqui no Brasil, não é tudo que fica bom no meu corpo. Não é toda peça que tem bom caimento, boas costuras… As vezes não vale gastar nem 5 dólares em uma peça porcaria.
Acabei comprando roupa em algumas lojas e acho que essas valem a visita. Mas que fique claro: tive que ir atrás, caso contrário não teria conseguido comprar nada. 

LOJAS DE MODA PLUS SIZE EM NY QUE VALEM A PENA

peplum plus size

Fashion to Figure

Minha favorita, a loja é bem fashion mesmo, tem coisas lindas e bem diferentes do que a gente vê por aqui. Foi onde eu comprei o peplum branco, o top croped com recortes e um vestidinho listrado que ainda não mostrei aqui. Os preços são muito amigáveis (paguei 10 dólares no top, por exemplo), mas a loja que eu fui fica no Jersey Gardens Outlet.

Torrid

É um pouco mais salgada que as outras até no outlet. Achei que é a que mais tem o estilinho alternativo, sabe? Na época que fui tinha muita estampa de caveira e animal print. O destaque fica pracoleção de sapatos para pés gordos, que é realmente um diferencial. Minha sandália de onça é de lá. Eu comprei na loja do Jersey Gardens, mas tem outras espalhadas por NY (veja as localizações no site).

Forever 21

Assim como a daqui, atrai pelos preços e quantidade de peças com uma pegada bem da moda – mas peca na qualidade e é tudo made in China. Eu fui em todas que encontrava pela frente e comprei algumas peças de roupa como a blusa de moletom vazada.

Nordstrom Rack

É cara? É sim, mas tem muitas peças plus size de marcas e grifes chiquérrimas (tipo Oscar de la Renta, Red Valentino, DKNY e várias outras). Se você está buscando glamour, riqueza e finesse, é aí que você tem que ir… Ou nem precisa ir, porque a loja online entrega no Brasil!!! \o/

TJ MAXX

A TJ MAXX também é cheia das marcas, mas é super barata, já que ela só recebe a raspa do tacho, a sobra da sobra de todas as outras multimarcas. Ela vende de tudo um pouco, desde bolsas e roupas até acessórios para casa e eletrônicos. As araras são divididas por numeração, o que é ótimo, mas mesmo assim você tem que caçar MUITO até achar uma roupa que preste e ainda esteja na moda. E cada loja tem uma coisa diferente, então é sempre bom dar uma checada quando você passar por alguma.

Marshall’s

A Marshall’s, faz parte do mesmo grupo da TJ Maxx, então também é cheia de marcas, de coleções antigas e preços muito amigáveis. Comprei calças muito deliciosas para dormir por 9 dólares. Vale a pena, mas entre a imensidão de opções de tudo que você possa imaginar (desde malas até jogo de copos) você tem que procurar bem.

Levi’s 

Sim, a querida da calça jeans faz peças que realmente cabem no meu popô tamanho 50 e ao mesmo tempo deixam meu corpo modelado e muito sexy. Achei ótimos os preços (paguei cada calça 39 dólares), mas se você não tiver viagem marcada, pode comprar aqui no Brasil mesmo que a numeração é a mesma;)

E são essas as lojas de moda plus size em NY que eu recomendo, agora se você vier me perguntar de sapatos e acessórios, aí a lista será beeeeeeem mais longa, mas isso a gente deixa para um outro dia… hua hua hua.

E me conta, você gosta muito de alguma loja de moda plus size em NY que eu não tenha colocado aqui? Me conta por que e se você acha que alguma dessas não vale a pena!!!

Paixão pelo retrô *-*

Onze problemas que só as gordinhas entenderão

Convidamos Aline Zattar para ajudar mulheres acima do peso a disfarçar os quilinhos extras na hora de escolher o look ideal. Confira dicas!


Na hora de montar o look, uma dica infalível é recorrer a peças que ajudam a disfarçar os quilinhos extras. Convidamos a Miss Brasil Plus Size Aline Zattar para tirar dúvidas e apontar soluções fashion para reduzir a silhueta e acertar no modelito. Mas Aline, que está na contagem regressiva para comemorar seus 30 anos em fevereiro, ressalta que o objetivo não é esconder nada.
Pluz Size  (Foto: AFP / Reuters / Leo Marinho- AgNews / AgNews )Adele e Carolinie Figueiredo apostam em saias rodadas e cores escuras para deixar o visual mais harmônico 
"Nós, gordinhas, somos gordinhas e ponto. Mas ninguém quer ver banha pulando fora das roupas,?", comenta. E inspirações não faltam: a cantora britânica Adele e a atriz Carolinie Figueiredo , entre outras, sempre apostam em peças que valorizam suas curvas.
Making of Aline Zattar posando para o Paparazzo (Foto: Alexandre Campbell / Paparazzo)Aline Zattar recomenda calcinhas largas, como a que
usou para o ensaio que fez para o Paparazzo
Aline até brinca ao citar alguns de seus truques. "Como tenho mais quadril, tento sempre ressaltar mais a cintura. É saber valorizar o que se tem de melhor.  Faço todos os truques possíveis para me sentir mais segura”, conta a Miss Plus Size, que veste manequim 48 e recentemente fotografou só de lingerie para o Paparazzo.

Abaixo, Aline fala sobre os mitos mais frequentes entre as gordinhas na hora de se vestir. Confira!
- Risco das roupas rasgarem com movimentos bruscos

"É verdade. Isso pode acontecer. Por isso, escolha sempre peças confortáveis. Na cabine, faça o teste cruzando os braços nos ombros e movimentando as pernas como se estivesse entrando no carro ou no ônibus. E, principalmente, veja se a roupa tem elastano em sua composição, já que a fibra confere maior elasticidade", ensina a Miss Brasil Plus Size.
- Peças largas podem dar a sensação de um peso maior

"Nada de usar roupas acima de seu manequim. Além de deixar o visual muito relaxado, não ajuda a mostrar as curvas", conta Aline
- Cuidado com cores claras

"O preto 'emagrece' qualquer pessoa. Tons neutros também estão liberados, mas é preciso redobrar o cuidado na hora de escolher o tecido. Dê preferência aos mais encorpados", diz ela.
- Peças íntimas muito apertadas alteram o formato do corpo

"Isso é válido para qualquer pessoa. Mulheres com muito seio devem optar por peças que ajudem a segurar mais o corpo, como um sutiã mais largo na lateral. Calcinhas muito fininhas, além de deformar o corpo, marcam muito mais e ressaltam os quilinhos extras. Peças em renda mais largas na lateral e mais altas, para segurar a barriguinha, são as melhores", aponta Aline.
Aline Zattar  (Foto: Divulgação)"Aposte na calça de cintura alta e com o cós mais
largo", diz Aline Zattar
Aline Zattar  (Foto: Divulgação)O blazer boyfriend, bem larguinho, é a peça curinga
para os dias de trabalho, ensina a Miss Brasil Plus
Size
- Calça de cós baixo pode ser um problema na hora de sentar

"Para não correr o risco de 'pagar cofrinho', aposte na calça de cintura alta e com o cós mais largo. Além de ajudar no desenho do corpo, a barriguinha não fica pulando para fora. O modelo tipo flare (com o boca mais larga) é ótimo para desviar a atenção da cintura, quadril e coxas. Para quem está acima do peso, a calça tipo skinny não é boa opção. E a pantalona é melhor para quem não tem tanto quadril", explica a Miss Plus Size.
- Camisetas decotadas

"Blusas com costas nadador não podem ser tão decotadas. O objetivo é não mostrar as gordurinhas pulando do sutiã. Por isso, prefira decotes em V ou em U, que ajudam a valorizar o colo e desviam a atenção do olhar para barriga e braços. Blusas com drapeados na gola não são as mais recomendas para quem tem muito peito", ressalta Aline.
- Esqueça as listras horizontais largas

"Dê preferência a estampas espelhadas ou com listras laterais mais escuras. É um truque de ilusão de ótica que funciona sempre muito bem", diz ela.
- Sapato baixo pode ressaltar o formato “barrilzinho”

"É verdade. Sapatilhas e rasteirinhas não ajudam a alongar a silhueta. Por isso, o salto alto é o preferido das mulheres acima do peso", alerta a miss.
- Cinto pode ressaltar a barriga

"Para quem tem cinturinha, pode ficar legal. Mas quem está com o corpo mais oval, é melhor escolher um vestido cinturado com elástico ou vestidos com saia mais rodada", alerta Aline.
- Peça curinga para o trabalho

"O blazer boyfriend pode ser um grande aliado sempre. Serve para disfarçar o vestido apertado no quadril, a barriga marcada, esconde os braços mais roliços e dá uma alongada na silhueta”, enumera a Miss Pluz Size, que faz uma ressalva. “Só não vale usar a peça no calor de 40 graus do verão carioca. Se o ambiente for bem refrigerado, está liberado”, diz, aos risos.

- Biquíni ideal
“Por serem mais altos, os modelos hot pants escondem a barriguinha. O maiô ‘engana mamãe’ também é ótimo. O modelo ideal é aquele que tem recortes geométricos e que mistura estampa com partes lisas”, conta Aline Zattar.
Pluz Size  (Foto: Divulgação)Aline Zattar aposta em vvestidos com listras escuras nas laterais, salto alto nos pés e calças de cintura alta